UX na empresa: software corporativo.

17/10/2018

Os consumidores se acostumaram a melhores e melhores experiências de usuário,
desde a comunicação fácil e intuitiva com o Gmail e o Facebook até o depósito
de cheques com um clique da câmera do smartphone. O usuário médio de smartphone
tem mais de 30 aplicativos instalados.

Mas as pessoas não são apenas consumidores; eles também são funcionários. E, em
muitos casos, a experiência perfeita de aplicativos de consumo entra em colapso
na porta do escritório. Tarefas aparentemente simples, como envio de relatórios
de despesas, reserva de viagens e até mesmo compartilhamento em uma intranet
corporativa, têm sido prejudicadas por projetos de software deselegantes e
desajeitados.

Os funcionários esperam a mesma facilidade de uso e simplicidade em suas
ferramentas de trabalho que eles anteciparam na Internet do consumidor. E os desenvolvedores estão respondendo, refazendo os aplicativos corporativos
moldados pelas expectativas e experiências do consumidor.

A busca de uma boa experiência em software corporativo está acelerando à medida que mais e mais pessoas da geração do milênio entram no mercado de trabalho, e o ritmo da inovação de produtos irá acelerar nos próximos 12 a 18 meses. Da mesma forma, a divisão entre comunicação interna e externa continua a se confundir, e a mídia social é um fator-chave para melhorar as conexões e a colaboração no local de trabalho.

• Como as expectativas do consumidor irão remodelar os aplicativos
corporativos?
• Quais são os principais recursos de uma plataforma de comunicação interna
eficaz?
• Como uma empresa promove uma cultura de compartilhamento de conhecimento?

À medida que as organizações se adaptam à velocidade e escala da economia
atual, a maioria dos aplicativos empresariais não oferece uma experiência
intuitiva e amigável. No entanto, as expectativas e o comportamento dos
funcionários são cada vez mais moldados por suas experiências on-line, mídia
social e dispositivos móveis. As empresas capazes de fornecer software interno para
consumo ganharão uma vantagem competitiva no recrutamento e retenção de
talentos, na construção de relacionamentos com parceiros e no compartilhamento
e armazenamento de conhecimento institucional.

Todas as empresas, de pequenas startups a grandes multinacionais, precisam de
software interno. No entanto, as empresas de software que exigem que seus
funcionários usem geralmente são confusas, pouco atraentes e, muitas vezes,
francamente enlouquecedoras.

Um dos principais motivos pelos quais o software corporativo tradicionalmente
ficava até agora por trás do software de consumo é que os compradores não são
os usuários finais. As principais preocupações dos compradores de TI (como
estabilidade e segurança) geralmente são muito diferentes das do usuário final,
cujas necessidades incluem facilidade de uso e simplicidade de design. Outro
problema é que o software corporativo é geralmente menos responsável do que
aplicativos freeware e de código aberto que serão testados, criticados e aprimorados por uma base de usuários relativamente grande e vocal a cada nova versão. Além disso, o custo para atualizar sistemas legados pode ser assustador e muitas grandes corporações temem investir em startups baseadas na nuvem, seguindo a mentalidade de que "ninguém foi demitido por escolher a IBM".

 A inovação de produtos na empresa já percorreu um longo caminho.

Os funcionários, em parte, forçaram o mercado a reagir, tomando as coisas em suas próprias mãos. À medida que as pessoas descobrem ferramentas cada vez mais gratuitas ou baratas para colaboração e outras tarefas comuns no local de trabalho, elas aprenderam a contornar as aquisições. Como resultado, os desenvolvedores estão criando aplicativos mais amigáveis ​​ao consumidor para o local de trabalho.

Construir aplicativos corporativos de sucesso é o mesmo que criar aplicativos de
sucesso para o consumidor.

Os projetistas e desenvolvedores de software que criam soluções corporativas
devem aplicar as mesmas metodologias rigorosas à criação de aplicativos para
funcionários, b2b ou parceiros, como fazem os inovadores de aplicativos de
consumo. Isso requer a realização de entrevistas com os interessados, a análise
do desempenho de quaisquer propriedades digitais existentes, a criação de
personas de usuários, a realização de uma avaliação heurística e o teste do
usuário. E esse processo precisa ser iterativo para pressionar constantemente
por uma melhor experiência do usuário.

O local de trabalho também será móvel.

A lacuna entre aplicativos de consumo e software corporativo está se ampliando
ainda mais, à medida que as tecnologias móveis abrem novos recursos. O software
de consumo está integrando serviços de localização geográfica, entradas de voz,
reconhecimento óptico de caracteres, recursos de áudio / vídeo e toque. No
entanto, os desenvolvedores corporativos, com poucas exceções, estão lançando
versões móveis relativamente insípidas de seus aplicativos. Eles não têm a
inovação e a inspiração que os desenvolvedores de aplicativos de consumo estão
aproveitando no celular. As empresas capazes de explorar os recursos nativos de
dispositivos móveis para criar aplicativos B2B consumidos apenas expandirão sua
vantagem competitiva com parceiros e funcionários em potencial.

Para que uma plataforma de comunicação e colaboração interna seja bem-sucedida,
ela deve oferecer uma experiência equivalente às experiências digitais comuns.
Isso significa que ele precisa se sentir amigável e confortável a partir de uma
perspectiva de design e UX.

A EcoSistemas criou produtos baseado nessas perspectivas de inovação, são software de comunicação e colaboração para sua empresa.

Venha conhecer, entre em contato!